domingo, 7 de setembro de 2008

Amizades eternas


As areias do tempo correm por entre meus dedos
Tudo passa e infelizmente, muito rápido.
Nem tudo é razoavelmente bem aproveitado
E quase tudo passa despercebido

Amizades eternas não, duram como o vento
Que jamais cessa seu movimento
Quanto o próprio universo que está solidificado
Como nossa amizade inabalável

Mesmo separados por um imenso hiato
É esse tênue porém resistente fio dourado
Que nos mantem unidos mesmo que um mundo inteiro
Nos mantenha fisicamente separados

Raíssa, amizades são feitas de ouro puro
E a tua mais, é encrustada de pedras preciosas
Nem tempo, nem distancia, nem nada
Destruirá o que construimos nesse tempo com fundações tão poderosas

3 comentários:

Raíssa disse...

Extremamente feliz com essa homenagem e mais ainda em te ver segunda!
grande e eterno amigo! ;****

Fernando disse...

Não sou muito bom de analise de poemas, mas bonito ficou..um abraço!

felicidades eternas a essa amizade..;)

beijunda!

nayara disse...

eu quero um pra mim tbm!!!!!!!!